Anúncios

A influência direta de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na redistribuição de cargos no primeiro escalão do governo tem o objetivo de articular uma aliança entre PMDB, DEM e partidos do centrão para a disputa das eleições de 2018.

Auxiliares de Michel Temer dizem que a articulação do presidente da Câmara para indicar o novo ministro das Cidades, Alexandre Baldy, e seu aval para escolher o próximo titular da Secretaria de Governo costurará os votos necessários para a aprovação da reforma da Previdência. Mas, mais do que isso, amarrará o DEM e siglas como PP, PR e PSD em uma coalizão governista no próximo ano.

A ideia é que essa aliança de centro-direita tenha um candidato próprio ao Palácio do Planalto, impedindo que Temer e seus aliados orbitem em torno de Geraldo Alckmin, possível nome do PSDB à Presidência da República.

A oscilação da postura dos tucanos no apoio ao governo irritou Temer e seu núcleo político, o que impulsionou um movimento na direção de um voo solo na disputa de 2018.

A baixíssima popularidade do presidente (5%), que não é candidato à reeleição, pode ser minimamente ocultada, acreditam assessores, por uma aliança formada por vários partidos. Um dos nomes que poderia encabeçar a chapa, por exemplo, é o do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD).

MAIS PODER

Temer decidiu ceder a Maia espaços importantes na Esplanada em troca do compromisso do deputado em liderar o centrão na aprovação das mudanças na aposentadoria e na aglutinação desse grupo em torno da possível aliança do ano que vem.

Aliadas ao Planalto, essas siglas barganhavam cargos e liberação de emendas parlamentares desde as votações que barraram na Câmara as duas denúncias contra o presidente e ameaçavam retaliar o governo caso seus pleitos não fossem atendidos.Maia costurou a indicação de Baldy no lugar de Bruno Araújo (PSDB), que pediu demissão do Ministério das Cidades. A condição era que o amigo se filiasse ao PP.

Para pacificar a base, o presidente da Câmara se comprometeu com Temer a promover reuniões em sua residência oficial para convencer líderes e deputados a votar a favor da reforma da Previdência – o governo sabe que hoje não tem os 308 votos necessários para aprová-la.

A polêmica agora se derramou sobre a Secretaria de Governo, comandada por Antonio Imbassahy (PSDB).Enquanto os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil) defendem o nome do ex-ministro dos Transportes João Henrique de Almeida para o cargo, a bancada do PMDB quer os deputados Carlos Marun (MS), Mauro Lopes (MG) ou Saraiva Felipe (MG).

Na perspectiva do acordo político-eleitoral, Marun ganhou força por contar com o apoio da bancada e o aval das siglas aliadas. Ele avisou ao Planalto que não pretende se candidatar à reeleição em 2018, condição de Temer para a indicação ao posto.

O presidente, porém, tem encontrado dificuldades em convencer Imbassahy a assumir os Direitos Humanos ou a Transparência, o que pode adiar o anúncio das trocas.

A cúpula do Senado, por sua vez, demonstrou desconforto com o protagonismo dado a Maia pelo Planalto na reformulação do governo. Temer conversou com o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE) e o senador indicou a aliados que não pretende atender a pedidos de tramitação acelerada da reforma da Previdência.

Os parlamentares reclamam que o Planalto cedeu às pressões do presidente da Câmara e construiu um plano que não levou em consideração as discussões sobre o tema no Senado, onde serão necessários os votos de 49 dos 81 senadores para aprovar as reformas. Com informações da Folhapress.

Publi1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui